sexta-feira, 9 de abril de 2010

Felicidade Realista

Felicidade Realista
Martha Medeiros


A princípio, bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos.


Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis.


Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas.


E quanto ao amor? Ah, o amor.. não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo. Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar à luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito. É o
que dá ver tanta televisão.


Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista.


Ter um parceiro constante, pode ou não, ser sinônimo de felicidade. Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio.


Dinheiro é uma benção.
Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo.
Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado.
E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade.


Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável.
Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno.


Olhe para o relógio: hora de acordar.
É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz mas sem exigir-se desumanamente. A vida não é um jogo onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade.


Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se.
Invente seu próprio jogo.


Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça de que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade. Ela transmite paz e não sentimentos fortes, que nos atormenta e provoca inquietude no nosso coração.
Isso pode ser alegria, paixão, entusiasmo, mas não felicidade...


====================


Este texto é lindo, e quero aproveitar pra chamar a atenção para um fato que vem ocorrendo muito no território livre e vasto da internet. Vários textos e poemas tem tido sua autoria atribuída a autores consagrados, quando na verdade não são deles. Cuidado ao repassar textos recebidos, pesquise. O Google está aí pra isso.


Esse é um problema grave nos dois sentidos. Felicidade Realista, por exemplo, é lindo, por que tirar a autoria de Martha Medeiros que tão bem o escreveu? Este texto circula na internet como sendo de autoria de Mário Quintana. Fãs de Mário Quintana juram que ele nunca escreveria a palavra "sarado" em um texto seu rsrs...
Já outros, são ridículos e enchem de problemas o suposto autor, como aconteceu com Gabriel García Marquez, Nobel de Literatura de 1982, e um texto com imagens que ele teria escrito supostamente antes de morrer de cancer. Pois bem, Gabriel ta vivo, e não escreveu o texto que, segundo ele, o mataria de vergonha antes mesmo do cancer, que realmente ele tem, mas que não o levou rsrsrsrs


Pelos emails que recebo, vejo que Arnaldo Jabor é um ícone nesse tipo de coisa., vive tendo textos atribuídos a ele. Enfim, analisem e pesquisem. Se a mensagem for bonita, repassem, mas corrijam o erro.


Beijos e abraços do Luiz França, que de Literatura não entende nada, mas em curiosidade é Doutor (viva o Google) hehehe

Comente com o Facebook:

6 comentários:

  1. Quem sabe as pessoas aprendem e se acostumam a pesquisar na internet como vc tanto aconselha aos amigos.

    ResponderExcluir
  2. Wanderson Freitas10 de abril de 2010 12:20

    Muito bom para refletir o texto da Martha Medeiros.
    Abraços Luiz!!!

    ResponderExcluir
  3. Luiz é muito bom mesmo este texto de Martha Medeiros "Felicidade Realista" e para refletir, eu nunca consultei o google para saber se era verdadeiro, vou seguir seu conselho e começar a consultar, beijinhos sucesso sempre!

    ResponderExcluir
  4. Obrigada pelo esclarecimento, é bom sempre ter pessoas ao nosso lado que nos acrescenta e enriquece...

    ResponderExcluir
  5. Ah Nadir, o texto é verdadeiro, claro, só não é do Mario Quintana! hehehe

    ResponderExcluir
  6. Acabo de receber em meu email, de uma amiga que eu adoro, um texto chamado "MSN", supostamente de autoria de Arnaldo Jabor.

    Mas esse nem precisaria pesquisar, fica óbvio pra quem conhece um pouco do Jabor, que ele jamais escreveria algo assim.

    Em todo caso, pesquisei, e não achei um texto em nenhum site confiável, como jornais, a própria Globo ou mesmo do próprio Jabor.

    Mais um fake.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar! Marque a caixa "Notificar-me" para receber as respostas do seu comentário por email.
Abraços do Luiz França.